Evan Almighty: De poderoso nada tem

Agosto 13, 2007 às 10:33 pm | Publicado em Cinema, Estreias | 5 comentários

2203852.jpg

Ando numa espécie de conflito interior desde Quinta-feira. “Escrevo sobre isto. Não escrevo sobre isto.”

Rendi-me à minha própria inveterada teimosia e cá estou mas não para dizer coisas simpáticas.

Por muito que eu idolatre o Steve Carell, por muito que fosse rapariga para limpar o chão à passagem do Morgan Freeman e por mais que me custe escrever este post, sinto-me na obrigação de vos alertar para os perigos da silly season e desancar à grande em Evan Almighty.

Evan, o Todo-Poderoso (assim se chama em português) devia chamar-se Evan, o Todo-vergonhoso. O que dizer de algo totalmente criado com vista às receitas mas que, ainda por cima, o faz com a pouca inteligência de um esquilo deficiente?

O que supostamente deveria ser uma comédia, não tem qualquer tipo de momento cómico. Os gags são pobres, os personagens fracos e as saídas narrativas totalmente desinspiradas. Senão vejamos: um ex-pivot de televisão torna-se político e Deus ordena-lhe que construa uma arca. Ele não só anda na rua com um jardim zoológico atrás como sofre o flagelo de ver constantemente a sua barba a crescer até se parecer com Noé.

Tudo isto podia ser muito engraçado não fosse o facto de NENHUMA das piadas resultar e de, como se não bastasse, abruptamente se tentar introduzir um drama familiar que não gera qualquer emoção no espectador e que, ainda por cima, estraga todo e qualquer momento de humor que ainda pudesse restar.

Nem o brilhantismo natural de Carell e Freeman, nem as aparições do maravilhoso Jon Stewart e do ex-membro do elenco de Daily Show e actual Andy Bernard de The Office (Ed Helms), têm o poder divino de salvar aquilo que, desde início, pede que Deus lhe dedique um dilúvio.

Anúncios

5 comentários »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. oi nês!
    Estava ansiosa para ver o filme porque AMEI o Bruce, o Todo poderoso, foi o único filme que me fez rir até às lágrimas no cinema… como gosto do Steve Carrel pensei que fosse igualmente bom, mas a ver pela publicidade já see antevia um filme para “putos” fraquito… ainda assim vou ver se o consigo visionar…
    beijinhos

  2. O filme pode não ter nada de poderoso, mas a crítica sim 😉 Não o estou a pensar ver, até porque não fui nada à bola com a “cópia” em que entra o Jim Carey, dessa vez no papel de Bruce.

    Beijinhos!

  3. Eu até não desgostei do filme, não uma obra-prima, muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii…iiiito inferior ao Bruce, mas é fixe de se ver… não vale os 5€ de um bilhete de cinema, é mais filme para se ver num sábado à tarde, e o inicio (até ao intervalo) era fraco, provocando-me mesmo agonias, mas a segunda parte melhora…

    Não gostei mesmo nada foi da tentativa demasiado vincada de “acreditem no “deus”, mas enfim…

    http://acomaga.wordpress.com

  4. Esquilo deficiente? ESQUILO DEFICIENTE?!

  5. Bem, acho que sobre este já sabes o que achei, nem vou comentá-lo para não usar linguagem imprória num estaminé respeitável.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: