Spider-Man 3: O que podia ter sido e o que não foi

Maio 4, 2007 às 2:53 pm | Publicado em Cinema, Estreias | 3 comentários

spiderman3_02.jpg

Fui, entusiasmada com o trailer, ansiosa pelo resultado e sem qualquer síndrome elitista ver Spider-Man 3. Já há um tempo que me encontrava entusiasmada com a possibilidade de poder ver o lado mais negro do personagem e a luta interior metaforicamente organizada em torno de bem e mal.

Infelizmente, nem o lado negro, nem a dicotomia bem/mal são explorados da forma mais inteligente (e que se impunha) neste terceiro filme da saga do aracnídeo.

A transformação de Peter Parker fascinado pelo poder negro que aquele simbiótico alienígena lhe trouxe, a luta pela libertação do mesmo e o posterior aparecimento de um dos adversários mais temíveis da aranha (Venom), que conhece todas as suas fragilidades, recebeu a atenção apressada que um mau programa de televisão recebe durante um zapping.

Tudo o resto, à excepção de alguns momentos em que o tom parece estar a acertar, é um acumular de cenas de acção com efeitos estonteantes (aqui, sim, é preciso dar crédito) e lugares comuns que revestem, a cada momento, a história de amor/triângulo amoroso/salvação da dama em apuros.

As alturas em que Parker se torna agressivo (não presunçoso), ou confuso (sem que seja devido à sua querida ruiva) são as mais interessantes e deviam ter sido as responsáveis pelo fio condutor do filme. Se este Homem-Aranha tivesse ido nesse sentido, os efeitos, as cenas de acção e os personagens deveriam ter funcionado de uma forma que ultrapassaria os anteriores dois.

O que é facto é que Spider-Man 3 é apenas um crescente de cenas atribuladas, alternadas com dúvidas existenciais aborrecidas, com diálogos a rebentarem de frases feitas e com algumas cenas intrometidas que tentam trazer novidades mas que apenas pioram o estado de sítio (como o canto de Mary Jane e a bazófia de Peter Parker).

No final, apenas um bom vilão (o Sandman de Thomas Haden Church, quando mostra a cara), bons cenários, bons efeitos especiais e um ou outro momentos que seguiram a linha do que devia ter sido toda a fita.

Sentimos que com tantos vilões, tantas brigas e tantos conflitos, não entendemos quem é o herói nem quem é o verdadeiro inimigo, terminando tudo apenas numa mancha muito escura.

Na Segunda-feira, a conversa completa no Acabo de Ver dedicado à aranha de Sam Raimi.

Anúncios

3 comentários »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. A tua critica reflecte +- o que senti ao ver o filme. Podia ter sido muito mais do que foi. 🙂
    1abraço.

  2. O Homem-Aranha também estreou aqui no Brasil recentemente. Embora não o tenha visto, escrevi um post sobre o filme. O seu comentário ficoumuito bom, me será útil para analizar o filme quando o assistir. Boa noite. 😉

  3. QUE DECEPÇÃO… os dois primeiros estão altamente, mas o 3º…
    Só para terem uma ideia…
    O filme é MUITO descritivo, chegando até ao cúmulo de certas cenas parecerem um enredo de novela…
    Só para a tia do Parker lhe dar o anel que foi do casório dela para ele pedir a Mary Jane em casamento, já passou meia hora…
    o filme tem 2h20 e a certa altura eis que se ligam as luzes e surge a linda palavra “INTERVALO” (não via isso à anos…)
    Ainda pensámos que a 2a parte fosse acelarar… ESTAVAMOS ERRADOS…
    Excepto as estonteantes cenas de acção e efeitos especiais espectaculares, o filme arrasta-se num enredo tedioso em que toda a gente desespera porque parece que nunca mais vai acabar…
    Como se não bastasse o Peter Parker ter aquele ar de tótó, eis que são ultrapassadas todas as fronteiras do ridículo quando, ao ser afectado pelo tal “lado negro”, puxa uma franjinha do cabelo para cima dos olhos e pavoneia-se na rua, dançando qual misto de John Travolta no “Grease” e Michael Jackson (só lhe faltou mesmo agarrar nos “tintins”…)… ABSOLUTAMENTE RIDÍCULO… e ainda uma cena em que o Parker aparece nu na sombra de uma torre (O SONHO DE QUALQUER MULHER, SEM DÚVIDA… LOL… nessa altura as raparigas do cinema já estavam a vomitar para o balde de pipocas, e entao na parte em que o Parker bate na Mary Jane por estar passado… só faltava atirarem tomates para o ecrã)…
    Para acabar, eis que o suposto assassino do tio do Parker e o Aranha começam a CHORAR no fim do filme…

    Concluindo, ainda bem que não vos arrastei para essa seca… já basta a seca de terem lido este texto todo…


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: