Apocalypto e os dialectos de Mel Gibson

Janeiro 4, 2007 às 6:28 pm | Publicado em Cinema | 2 comentários

Estreia esta semana o novo de Mel Gibson: Apocalypto.

c_apocalypto_teaser_cartel.jpg

Confesso que não me sinto particularmente interessada pela obra porque saí entediada da sala de cinema na última vez que vi um filme do senhor de Braveheart.

Não gostei d’ A Paixão de Cristo. Não gostei ao ponto de me aborrecer profundamente.

Passo, de seguida, à argumentação, não sem antes dizer que não fui ver A Paixão de Cristo guiada pela polémica. Explico porquê. Não vejo filmes (nem leio livros) como se eles se tratassem de algo documental. Admito que, ao pensar num filme, faço paralelismos com a realidade e até gosto de tentar descobrir significados subliminares de cenas, planos ou diálogos mas assumo sempre que se trata de uma obra de ficção. A não ser que me falem de um documentário, não concordo com qualquer visão do tipo “ah isto é um ultraje porque não se passou assim”. É um ponto de vista de alguém, uma história ficcionada, certo?!

Agora sim, a prometida argumentação. A história chateia-me porque já a vi em mil e um filmes e, embora possa ter interpretações diferentes, vai sempre dar ao mesmo final. Os dialectos da época até se admitem, não fosse o facto de tudo aquilo soar a falso. Por último, mas, quanto a mim acima de tudo, Mel Gibson demonstrou um problema de atitude. Uma atitude de Diva. Parece ter ficado encantado com uns quantos truques (lembro-me do exemplo da câmara lenta que, de repente volta ao ritmo normal num momento acelerado) e repete-os até à exaustão. Se o espectador reconhece nisso um aspecto negativo é porque algo ali deixa um ruído e o realizador devia ter percebido isso.

Este Apocalypto faz novamente uma viagem no tempo, agora até à civilização Maia onde se fala iucateque (Mel Gibson optou novamente por usar um dialecto da época). Ali, num momento anterior ao da colonização por parte dos espanhóis, conta-se a história de um jovem que vai ser sacrificado mas que tenta uma fuga de volta para a família.

Vou vê-lo na próxima semana para tirar as minhas dúvidas mas não levo expectativas muito altas. Antes disso, ainda vou ver The Prestige (O Terceiro Passo) de que já falei aqui. Já li umas coisas simpáticas sobre este. Esperem por opiniões Segunda-feira no Acabo de Ver.

Anúncios

2 comentários »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. Não posso dizer que não gostei da Paixão de Cristo, mas sim que pura e simplesmente não me disse nada. Aborreceu-me, também, e basicamente pelas mesmas razoes que apresentaste.
    Mas apesar deste facto, Apocalypto conseguiu despertar algum interesse, e fui ver no dia da estreia. Devo dizer que é bastante bom, e que vi poucos pontos em comum com A Paixão, pelo menos dos maus.
    O filme vale bem a pena, não sendo excelente, é intenso, por vezes desconfortável, e de grande beleza. A minha crítica tá no LeStrange 😉
    Mas aconselho a dares-lhe uma oportunidade. 🙂

    LeStrange****

  2. Vou ver de certeza. Mesmo que seja para poder formar um opinião fundamentada sobre ele. Às tantas até tenho uma surpresa!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: